Monday, 23 July 2012

THE BEVERLYS 1959 - 1965

The Beverlys were the first all-Black rock'n'roll group to come into the Brazilian rock scene circa 1959. The group hailed from Penha, a working-class suburb in the sprawling eastern section of São Paulo. José Pereira, a tall and handsome young man who worked as a clerk in the city's financial district went to see 'European nights', an Italian-French 'mondo film' production (exploitation documentary) showing European night places and was flabbergasted by the performance of The Platters he saw in the big screen. 'You'll never know' and 'My dream' were the 2 numbers sung by the Platters in a night-club in Rome.

When Pereira got back to Penha he told Vander Loureiro, a friend he used to sing along with, that he had seen the light. Pereira insisted Vander would have to go and watch 'Europa de Noite' (the title in Portuguese) to check it out. Pereira said they had to form a group like that; he knew they were capable of singing similar to them. They only needed two more guys and a girl. Soon they had The Beverlys all figured out: Mariano and Castro were the 2 other guys plus Amélia Loureiro, Vander's wife who would pass off as his sister because a rock'n'roll group was not supposed to have a husband-wife team.

The Beverlys rehearsed a lot at their members' houses. Pereira was the only one who knew a little English so he taught the others the pronunciations of The Diamond's 'Little darling'; The Platters' 'Only you' plus 'Twilight time'; The Bobbettes' 'Mr. Lee' (which had been a hit for Brazilian Conjunto Farroupilha) and Earl Grant's 'The end' which they ended up recording as a demo to show A&R men at eventual record labels or radio stations DJs.

Just when The Beverlys were about ready, Vander found out that Radio Panamericana's DJ Miguel Vaccaro Netto was looking for new rock'n'roll outfits - singers, instrumental or vocal groups - to record at his brand new label Young Records. Vander took one of their demo records to show Vaccaro who signed them on the spot.

The Beverlys recorded 2 singles for Young Records in 1959 and 1960: covers of The Drifters' 'There goes my baby' and 'Dance with me' plus The Coasters' 'Yakety yak' and The Elegants' 'Little star'. On top of their own records The Beverlys did back up vocals for most of the 60 songs recorded by the other acts Young had under contract.

During 1959 and 1960 The Beverlys were really busy performing at TV and radio shows, travelling all around the country to promote their records and their colleagues at Young. Unfortunately, for one reason or another Young Records folded in late 1960, but The Beverlys continued their activities on TV or singing at balls and parties.

The Beverlys existed up to 1962, in their original formation. Then Pereira left the group due to personal problems. Late in 1964, The Beverlys recorded in Portuguese for the first time: 'Anjinho da gang' backed with 'La cucaracha' was released by RGE.

José Pereira had an untimely death in June 1965, just a few weeks before 'Jovem Guarda' opened on TV Record on 22 August 1965. The Beverlys - minus Pereira - would sing many a time at 'Jovem Guarda' along side with Prini - formerly known as Prini Lorez - but due to a campaign of harrassment promoted by the Brazilian Musician's Guild (Ordem dos Musicos) - they had to stop performing on TV and soon went their separate ways. 


The Beverlys sing with Cizinha Moura on TV Paulista, Channel 5. From left to right: José Mariano, José Pereira, Amélia Loureiro, Castro & Vander Loureiro. 


THE BEVERLYS, conjunto vocal formado em 1958, no bairro da Penha em São Paulo, composto de 4 rapazes e uma moça. Conhecidos como "The Platters brasileiros" devido ao estilo do-wop.

Em 1959 e 1960, gravaram em inglês 'There goes my baby' e 'Dance with me' - dois sucessos dos Drifters, além de 'Little star' e 'Yakety yak' dos Coasters para a Young, novíssima gravadora independente formada por Miguel Vaccaro Netto, DJ de rock'n'roll da Radio Panamericana de São Paulo.

Em agosto de 1960 tomaram parte em 'Um gaiato em Nova York', uma revista musical apresentada como abertura da Quinzena de rock'n'roll - capitaneada por Johnny Restivo na 1a. e Frankie Lymon na segunda. Quinzena essa promovida pela TV Record em seu Teatro na rua da Consolação.

The Beverlys ainda 'abriram' para os Ink Spots, conjunto de 'rhythm'n'blues' famoso nos anos 1940s, quando se apresentaram no Teatro Record em Março de 1960.


Beverlys da esq. p dir.: José Mariano, José PereiraAmélia de Paula Loureiro, Benedito Guido de Castro & Vander Loureiro.

Em 1961 e 1962, passado o auge dos programas de rock de Tony & Celly Campello e das mil atividades relacionadas à gravadora Young, The Beverlys continuaram a cantar em programas da TV Tupi, TV Cultura, TV Paulista e TV Record.

Há um hiato em 1963, quando The Beverlys tiveram pouca participação no mundo artístico. 

Em Maio de 1964, The Beverlys gravam um compacto-simples para a RGE que se tornou item de colecionadores: "La cucaracha", aproveitando a onda de 'La Bamba' e 'La Raspa', tendo do lado B "Anjinho da Gang", um rock bem ritmado, sendo acompanhados por The Jet Blacks, o melhor conjunto de rock nacional.

José Pereira, o fundador dos Beverlys vem a falecer em 2 Junho 1965, com apenas 32 anos.

Dois meses depois Prini Lorez, ou Zézinho, ou Galli Jr., antigo colega da gravadora Young, convida The Beverlys para fazerem os back-vocals em suas apresentações no programa Jovem Guarda, que estreou em 22 Agosto 1965, na TV Record, já se tornando campeão de audiência e 'trend-setter' do momento.

The Beverlys foram muito requisitados por cantores profissionais para fazerem 'back-vocals' em suas gravações. Erasmo Carlos em 'Terror dos namorados' [Maio 1964], Dick Danello em 'Quando vedrai la mia ragazza' [1964],  Alladin Band em seu album psicodélico e outros.

Quando Prini Lorez se transfere do programa Jovem Guarda para o concorrente na TV Excelsior, Canal 9, The Beverlys vai com ele, e lá começa uma perseguição de 'olheiros' da famigerada Ordem dos Musicos na aplicação de multas altas para o conjunto que não tinha carteira da Ordem. Poderia haver um confronto judicial, mas The Beverlys resolvera 'pendurar a chuteira' momentàriamente.


Miguel Vaccaro Netto à esquerda & The Beverlys à direita cantando no ABC durante a campanha presidencial de 1960, vendo-se cartaz de Jânio Quadros ao fundo.


BEVERLYS DISCOGRAPHY

Gravações Demo

78 rpm “Little darling” [solo: Amélia]
maio 1958 “Mister Lee” [solo: Amélia]

78 rpm “Only you” [solo: Castro]
maio 1958 “Forgive me” [solo: Vander]

78 rpm “The end” [solo: Vander]
julho 1959 “Twilight time” [solo: Castro]


Participação dos Beverlys nas gravações da gravadora Young:

45/78 rpm “There goes my baby” [solo: Castro]
1959 – Young “Little star” [solo: Mariano]

45/78 rpm “Dance with me” [solo: Vander]
1960 – Young “Yakety-yak”



EP com 'Yakety yak' (Beverlys) 

Compacto-simples dos Beverlys lançado pela RGE

 
33 rpm “Anjinho da gang” [solo: Vander]
1964 – RGE -  “La Cucaracha” 





The Beverlys cantam com Cizinha Moura em programa da TV Paulista, Canal 5 - da Organização Victor Costa.


The Beverlys em outra oportunidade com Cizinha Moura.


'Baile da Bossa' com participação dos Beverlys em 5 de Junho de 1960 na Casa de Portugal. 

os 5 Beverlys fizeram “background vocals” em quase todas gravações da Young,
tendo participações especiais em:

My heart is an open book”, onde Castro faz dueto com Hamilton Di Giorgio;

em “In my heart”, Amélia de Paula faz o back-vocal durante toda a gravação do Carlos David .


Os Beverlys ainda fazem “back-ground vocals” para Erasmo Carlos em “Minha fama de mau”/”Terror dos namorados” em 1964;

para Teddy Milton em “Meu broto” [My bonnie]/”Primeira estrêla” em 1964;

para Prini Lorez em “La Raspa”/”Cielito lindo” em 1964; 

para Prini Lorez no compacto-duplo “Twist and shout”:

A - Go, Prini Go / I’m gonna make you cry
B - Twist and shout / Mama Papa


Ainda em 1964, os Beverlys fizeram “back-vocals” para o Dick Danello em
“Quando vedrai la mia ragazza” / Bussicabombaio”;

em 1965 apoiaram Dick Danello em “Non aspetto nessuno” e “Ogni mattina”.

além do LP da Alladin Band em 1968, em “Zabadak” e “Maldade”.




"ANJINHO DA GANG" 

Pedi carona a um brotinho da gang
eu ia na corrida, mas perdi condução
ela foi legal, brecou seu carro com classe
e abriu a porta com satisfação

Eu vi que na saída deu 80 por hora
não pude dizer nada, mas senti um terror
ao vê-la imprimir mais velocidade
até chegar na táboa o acelerador [o acelerador] 2x

Todo arrepiado na esquina da frente
olhando o velocímetro 90 eu vi
perseguindo o 100, o 110, 120
veio o 130 e depois sorri

O guarda apavorado abandonou o sinal
e a turma em debandada derrubando o chapéu
porque nasceu em mim um lindo par de azas
agora virei anjo e canto aqui no céu

[e canto aqui no céu] 2x


gravação CS-70.114 RGE dos Beverlys
solista: Vander Loureiro
acompanhamento instrumental: The Jet Blacks
letra & musica: Elpído dos Santos & Benjamim Nascimento

"Anjinho da Gang" é um rock bem ritmado, no veio de "Rua Augusta" [Ronnie Cord] e "Parei na contra-mão" [Roberto Carlos]; só que bem mais irreverente e "gozadora", pois o herói principal morre no final.

A gravação começa com o barulho de acidente de automóvel, que lembra os dois discos ja citados, mais "Teach me, tiger" [1965], da super "caliente" April Stevens, que teve seu disco proibido de ser tocado nas radios americanas por ser muito "sensual".

The Beverlys em caricatura para divulgação da gravadora Young - 1960. 

Dados biográficos dos membros originais de THE BEVERLYS


The Beverlys tiveram várias formações desde seu aparecimento em 1958, mas o 'line-up' que gravou na Young em 1959 e 1960 é o que nos interessa, e o que aparece na foto inicial desse blog e naquela onde acompanham a cantora Cizinha Moura em um programa da TV Paulista, Canal 5 da Organização Victor Costa.

José PEREIRA nasceu em 2 MAR 1933 e faleceu precocemente em 2 JUN 1965, com apenas 32 anos.

AMÉLIA de Paula Loureiro nasceu em Taubaté-SP em 4 JUN 1930; faleceu em 24 NOV 2007 em São Paulo.

Benedito Guido de CASTRO nasceu em Cunha-SP, na divisa de São Paulo com o estado do Rio de Janeiro. Não temos data de nascimento ou de falecimento.

José MARIANO foi o último a entrar no grupo, substituindo Manoelino, membro fundador dos Beverlys. Não temos dados sobre nascimento ou falecimento.

VANDER Loureiro nasceu em 5 JUN 1929 em Avaré-SP, embora sua familia tenha mudado para São Miguel Paulista-SP quando ele ainda era criança-de-colo. É o único membro original dos Beverlys sobrevivente.

Note que Miguel Vaccaro Netto fazia questão de 'esconder' o casamento de Vander e Amélia. Se você ler com atenção as colunas publicadas por Vaccaro no jornal 'Ultima Hora', vai ver que Vander e Amélia são apresentados como 'irmãos'.

JUVÊNCIO, O JUSTICEIRO DO SERTÃO

"Adeus morena
eu já vou indo p'ro sertão
se não voltar
deixo contigo o coração

Sou Justiceiro
não tenho mêdo de ninguém
enfrento tudo sosinho
só tenho mêdo do meu bem."

letra e musica de Reinaldo Santos
gravada por Vander Loureiro, membro dos Beverlys

"Juvêncio, o Justiceiro do Sertão" era uma novela-aventura infanto-juvenil apresentada pela Radio Piratininga diàriamente às 18:45, tendo seu desfecho um segundo antes da entrada da 'Voz do Brasil'. Era uma balada calcada em cima do som do cavalgar de um cavalo. 'Juvêncio' tinha uma grande audiência entre a população mais pobre da metrópole que não tinham dinheiro para comprar aparelho de TV. Também era popular na cadeia de emissoras da Radio Piratininga pelo Brasil afora.

Aqui vai o depoimento de Adalberto Amaral, o ator-mirim que fazia o Juquinha, fiel companheiro e amigo do Juvêncio:

"É verdade amigo. eu fiz parte da novela iniciando como o menino Juquinha. A letra era realmente essa. A letra foi escrita em parceria com o Reinaldo Santos que era o produtor da novela. Acho que os Beverlys se lembram do Bar Ponto Chic - no Largo do Paissandu, conhecido tambem como "Bar dos Artistas"pois todas as terças feiras se reuniam ali vários artistas para marcarem shows. Era um verdadeiro "escritório" dos artistas que não tinham muita grana, e faziam ali o seu ponto de encontro". Adalberto Amaral.

Beto Abrantes, pesquisador do rock brasileiro, Carlus Maximus, blogueiro e Vander Loureiro na Casa de Portugal, 2011.
The Beverlys fizeram 'back-vocals' para Erasmo Carlos em 'Terror dos namorados'.
The Beverlys fizeram vocais para vários cantores, incluindo aí os dois lados desse compacto de Dick Danello.
Pereira foi assistir ao filme-documentário italiano 'Europa de noite' e ficou entusiasmado com a performance de The Platters num night-club de Paris. Chegou em casa e disse ao Vander: 'Vamos fazer um conjunto igual àquele!?' O resto é história.
45 rpm de 'You'll never, never know' e 'My dream' cantadas por The Platters no filme 'Europa de noite', do cineasta italiano Alessandro Blasetti, que foi a coqueluche de 1959.

No comments:

Post a Comment